O Assassinato de Roger Ackroyd – Resenha

kk.png

Título: O assassinato de Roger Ackroyd

Autora: Agatha Christie

Ano de publicação: 1926

Editora: Globo Livros

Nº de páginas: 483 p.

cropped-barra.png

Sinopse: Uma misteriosa sequência de três crimes. Uma velha senhora desconfiada. Um famoso detetive belga de férias, procurando alguma emoção. Este é o ponto de partida de O assassinato de Roger Ackroyd, um dos mais famosos romances policiais de Agatha Christie, em que está presente seu estilo inconfundível de promover uma verdadeira ciranda de suspeitos, em que o leitor é envolvido e para a qual ele é convidado a usar toda a sua inteligência e perspicácia.
Em uma noite de setembro, o milionário Roger Ackroyd é encontrado morto, esfaqueado com uma adaga tunisiana – objeto raro de sua coleção particular – no quarto da mansão Fernly Park na pacata vila de King’s Abbott. A morte do fidalgo industrial é a terceira de uma misteriosa sequência de crimes iniciada a de Ashley Ferrars, que pode ter sido causada ou por uma ingestão acidental de soníferos ou envenenamento articulado por sua esposa – esta, aliás, completa a sequência de mortes, num provável suicídio. 
Os três crimes em série chamam a atenção da velha Caroline Sheppard, irmã do Dr. Sheppard, médico da cidade e narrador da história. Suspeitando de que haja uma relação entre as mortes, dada a proximidade de Miss Ferrars com o também viúvo Roger Ackroyd, Caroline pede a ajuda do então aposentado detetive belga Hercule Poirot, que passava suas merecidas férias na vila.
Ameaças, chantagens, vícios, heranças, obsessões amorosas e uma carta reveladora deixada por Miss Ferrars compõe o cenário desta surpreendente trama, cujo transcorrer elenca novos suspeitos a todo instante, exigindo a habitual perspicácia do detetive Poirot em seu retorno ao mundo das investigações.

cropped-barra.png

Devo confessar que sou totalmente viciado em romances policiais bem escritos, e desde que li todos os contos do Sherlock Holmes, escritos pelo autor Arthur Conan Doyle, fiquei desapontado e ansioso por novos mistérios. Entretanto, ao me deparar com Agatha Christie e deu universo fabuloso que nos presenteou com dois detetives: Poirot e Miss Marple, devo confessar que fui fisgado.

O livro em questão é narrado em primeira pessoa, e esse personagem-narrador tem a difícil missão de nos contar o triste falecimento de seu amigo, Dr. Roger Ackroyd. Todavia, no desenrolar da trama, mais personagens são inseridas como suspeitas (o que particularmente me confunde muito, pois Agatha sempre escreve seus textos com muitos personagens, o que torna difícil a compreensão da história, pois temos que decorar o nome de todos).

O final do livro me deu um choque tremendo, que precisei de um bom tempo para me recuperar, uma vez que, a partir de uma reviravolta de última hora, ficamos todos de queixo caído com a revelação do assassino. Recomendo muito este livro, porque é bem detalhado, com surpresas e mistérios que te prendem do começo ao fim.

nota 5

escrito oxi

Joyland – Resenha

20181014_122632.jpg

Título: Joyland

Autor: Stephen King

Editora: Suma de Letras

Ano de Pulicação: 2013

Nº de páginas: 288 p.

cropped-barra.png

Sinopse: Carolina do Norte, 1973. O universitário Devin Jones começa um trabalho temporário no parque Joyland, esperando esquecer a namorada que partiu seu coração. Mas é outra garota que acaba mudando seu mundo para sempre: a vítima de um serial killer. Linda Grey foi morta no parque há anos, e diz a lenda que seu espírito ainda assombra o trem fantasma. Não demora para que Devin embarque em sua própria investigação, tentando juntar as pontas soltas do caso. O assassino ainda está à solta, mas o espírito de Linda precisa ser libertado — e para isso Dev conta com a ajuda de Mike, um menino com um dom especial e uma doença séria. O destino de uma criança e a realidade sombria da vida vêm à tona neste eletrizante mistério sobre amar e perder, sobre crescer e envelhecer — e sobre aqueles que sequer tiveram a chance de passar por essas experiências porque a morte lhes chegou cedo demais.

cropped-barra.png

Stephen King é definitivamente o rei do suspense e mistério atual. Não é o primeiro livro que leio dele e com certeza não será o último, e posso afirmar que o estilo de sua escrita é impecável em todas as páginas que já escreveu. Joyland não é uma exceção. É uma história profunda, envolvente e até mesmo triste ( no final principalmente).

Não recomendo muito para quem está procurando um terror de gelar os ossos, e sim para quem quer um entretenimento. É um livro bom, rápido de ler, e realmente tem uma história convincente. Para os fãs do autor, é realmente um romance imperdível. Não é muito conhecido, mas nem por isso deixa de ser bom- ele tem uma pegada cult, meio alternativa mesmo. Isso faz ser um livro original e único, bem do jeitinho do Stephen. O livro também se passa durante os anos 70 – com muitas referências a bandas e artistas da época.

O único ponto ruim do livro é que, em algumas vezes, sentimos que a história não flui e o clímax nunca acontece.   Mas se tiver paciência, ele chaga bem no final… Talvez não do jeito que esperava-se.

Uma coisa boa do livro é que todos os personagens foram muito bem construídos. Tom, Lane, Erin, Annie, Mike… Nos sentimos em outra época, em um parque de diversões de verdade com pessoas de carne e osso. Todas tem suas falhas, suas qualidades e jeito de ser. Algumas não gostamos, algumas adoramos. Uma das intenções de Stephen era fazer um contraste com a juventude e a velhice, então temos pessoas de várias idades e também observamos os personagens principais, Tom, Erin e Devin, quando já estão mais velhos. Além do mais, a história em si é frágil. Não tem a intenção de assustar, apenas de ser densa e conseguir atingir o leitor de alguma maneira.

Temos o personagem principal, Devin Jones. É um cara legal. Facilita a leitura ter uma pessoa como ele narrando, principalmente porque não há nada que te faça desgostar dele – na realidade, eu realmente fiquei com um pouco de pena dele no começo e depois comecei a torcer para que resolvesse o mistério e encaixasse todas as peças do quebra-cabeça.  É um personagem deveras carismático, tanto com o leitor quanto com as pessoas com quem interage no parque.

Devin vai trabalhar em Joyland, um parque temporário, para juntar uma grana para a faculdade. É muito otimista e apaixonado… no começo. Stephen conseguiu transformar o Dev do início em um jovem depressivo que ouve The Doors na cama. Ele teve essa recaída porque seu coração foi quebrado. Isso o fez crescer como pessoa e focar seus interesses em outras coisas. Um delas é o o assassinato de Linda Gray – principalmente o paradeiro do assassino e o que realmente aconteceu no dia da morte de Linda. Minha teoria é que ele ficou tão interessado no caso para no íntimo esquecer os seus próprios problemas, tentando assim resolver o dos outros.

O mistério de Linda Gray é bem cativante, ainda mais porque Stephen colocou um toque paranormal. Seu espírito assombra o Horror House ( claro que tinha que ser uma casa de horror), pois foi lá que foi morta, mais especificamente em um dos carrinhos no canto mais escuro. Devin fica curioso quando sabe disso, até porque lendas e mitos em parques são coisas clássicas – ele nega, mas tem uma certa “alma de parque” em seu interior que o faz gostar tanto disso.  Quer ver o espírito e ajudá-lo, mais por curiosidade e busca por adrenalina. Mas depois sua intenção é realmente sincera, e isso fica bem claro. Devin realmente mergulha de cabeça neste caso de homicídio.

Ele recebe a ajuda de várias pessoas, incluindo Erin ( sua amiga e também a mulher por quem tem uma queda). Porém a pessoa mais importante para a resolução de tudo isso é Mike. Sua mediunidade pode ser um fardo para ele ( é meio ruim prever o próprio futuro o das pessoas em volta ), mas mesmo assim ele apoia e auxilia Devin.

Nunca se esqueça que nem tudo é fantasia. Ao longo do livro fica bem claro que o assassino é bem real – real demais. Ele ainda está a solta, e é o que faz o espírito de Linda se revirar e clamar por justiça – justiça por a ter matado e estuprado, e ter feito o mesmo com outras meninas que ainda tinham muito para viver.

Sem sombra de dúvida, um dos meus livros favoritos. Além de ter um design muito lindo <3, a escrita de Stephen é informal e cativante, misturando realidade com fantasia com maestria. Quando abrir a primeira página, é difícil resistir e não se encantar. É um ótimo livro para passar o tempo e mergulhar fundo. Tenho somente altas recomendações para dar uma chance e ler!

nota 5

escrito mari

Convite para um Homicídio – Resenha

DSCN2496.JPG

Título: Convite para um Homicídio

Autor: Agatha Christie

Editora: L&PM

Ano de Pulicação: 1950

Nº de páginas: 294 p.

cropped-barra.png

Sinopse: Durante mais uma tranquila e monótona manhã no pequeno vilarejo inglês de Chipping Cleghorn, um anúncio no jornal local deixa os habitantes em polvorosa: todos são convidados a presenciar um homicídio. Pensando ser apenas um jogo de detetive, os vizinhos comparecem em peso, sem estar preparados para o que viria a seguir. Em meio a passados nebulosos e jogos de aparências, o cenário descortinado revela que ninguém é o que parece ser. Para resolver o mistério, a polícia conta com a perspicácia de Miss Jane Marple. Por trás dos cabelos brancos e das agulhas de tricô, a simpática velhinha imortalizada por Agatha Christie tem um profundo conhecimento do ser humano – e das atrocidades de que ele é capaz.

cropped-barra.png

O cenário é Little Paddocks, a casa em que vive Letitia Blacklock e seus familiares. Alguns dos moradores estão presentes na sala de estar, todos convidados para o que seria uma cena do crime. Nesse momento, todos estão em silêncio e parados. A última badalada do relógio soa, as luzes se apagam.

Em mais um dos dias tranquilos do vilarejo de Chipping Cleghorn, todos recebem os seus devidos, e preferidos, jornais naquela monótona manhã. O que ninguém esperava era que um anúncio no Gazette, fosse causar tanto tumulto no pequeno local. Pensando que se tratasse de uma brincadeira – incluindo a própria dona da casa que não fazia ideia do que poderia se tratar o anúncio- alguns dos moradores se encaminham até o endereço, dia e hora marcada. No horário marcado, as luzes do cômodo se desligam e alguém entra pela porta da frente, cegando a todos com a luz da lanterna que segura. Ouvem-se disparos.

É assim que a narrativa do livro começa a se desenrolar, onde se inicia uma investigação para descobrir quem é o autor por trás do crime ocorrido. Todos são suspeitos, e para resolver o mistério o caso está nas mãos do inspetor Craddock, com a ajuda da Miss Jane Marple, uma velhinha simpática e muito perspicaz.

Cada personagem é importante para o desfecho dessa história, onde o livro não se prende apenas em uma personagem para narrar os acontecimentos e assim, também ficamos sabendo um pouco de cada morador de Chipping Cleghorn. Ao longo de todo o livro, vamos desconfiando de cada personagem, onde todos nos mostram motivos e segredos por trás de cada uma de suas ações.

A cada capítulo é aprofundado mais a investigação, chegando ao ponto de ter tantas peças do quebra-cabeça que se torna difícil juntar todas elas para que façam total sentido. O livro tem uma narrativa simples e muito aprofundada e cada detalhe se torna importante para o desfecho, possuindo um final inesperado. Com certeza “Convite para um homicídio” é uma leitura maravilhosa e que prende nossa atenção.

escrito bianca

nota 5

Vocação Para O Mal – Resenha

 

download.png

Título: Vocação para o mal

Autor: Robert Balbraith

Editora: Rocco

Ano de Pulicação: 2015

Nº de páginas: 513 p.

cropped-barra.png

Sinopse: Quando um misterioso pacote é entregue a Robin Ellacott, ela fica
horrorizada ao descobrir que contém a perna decepada de uma mulher. Seu
chefe, o detetive particular Cormoran Strike, fica menos surpreso, mas não
menos alarmado. Há quatro pessoas de seu passado que ele acredita que
poderiam ser responsáveis por tal crime – e Strike sabe que qualquer uma
delas seria capaz de tamanha brutalidade. Com a polícia focada no suspeito
que Strike tem cada vez mais certeza de que não é o criminoso, ele e Robin
põem as mãos à obra e mergulham no mundo sombrio e distorcido dos outros
três homens. Entretanto, quanto mais acontecimentos horrendos acontecem,
mais o tempo se esgota para ambos…

cropped-barra.png

Escrito por J. K Rowling sob o pseudônimo de Robert Gailbrath, o livro conta a
história do detetive Cormoran Strike e sua secretária/parceira Robin. O enredo
começa com a secretária recebendo um objeto inusitado no escritório do
detetive. Paralelamente, um serial killer, não identificado, realiza seus desejos
mais profundos matando garotas e levando consigo um “brinde” de cada uma.
A história se desenrola com a dupla de investigadores buscando encontrar o
assassino e o mesmo – que possui um ódio mortal do Strike – sonhando com o
seu triunfo maior: matar Robin.
O livro é recomendado para quem gosta de romances policiais, pois explora
muito bem a temática, além de percorrer habilmente os espaços londrinos, uma
vez que a obra se passa na Londres contemporânea. O final, apesar de deixar

um pouco a desejar, foge dos clichês e dá abertura para a continuação da
obra.
Outro tema abordado é a relação entre os dois, visto que apesar de
trabalharem juntos, possuem uma ligação maior, desenvolvida por todo o livro
(mas fica por isso mesmo). A secretária é noiva de Matthew, um contador, que
desaprova o trabalho de Robin e, sente um ciúme doentio do Cormoran.
Não é uma leitura difícil, o enredo consegue te prender facilmente, por possuir
uma linguagem acessível à maioria dos leitores. O que mais me chamou a
atenção foi poder acompanhar as linhas de raciocínio dos detetives, suas
frustações e sucessos na caçada do assassino.
O autor explora brilhantemente a introspecção, presente nas obras da literatura
contemporânea, uma vez que temos acesso à mente das personagens, que
compartilham conosco as suas angústias. Outra coisa que me chamou a
atenção foi a presença do assassino durante toda a obra. Sem sabermos quem
é, somos feitos de plateia pelo autor, visto que “presenciamos” todas as
mortes.
O ponto fraco do livro é que não termina no final, deixa pontas soltas. A
impressão passada é que foi escrito com tanta riqueza de detalhes que, no final
houve uma pressa em finalizar o texto. O casal Strike + Robin não fica junto, o
que foi ao mesmo tempo positivo e negativo; positivo porque não gostei do
casal, não consegui imaginá-los juntos, e negativo, pois há toda uma lamúria
por parte dos dois durante todo o livro, uma melação só, para no final ela se
casar com outro. Bom, pode ser que no próximo livro a história deles seja
desenvolvida.
Algo que me deixou muito “WTF?!” foi o modo como o assassino foi
descoberto. Quem já está acostumado com Agatha Christie e Arthur Conan
Doyle sabe, que desde o início o assassino está entre todos e conseguimos
acompanhar o raciocínio dos detetives. Nesse livro foi diferente, pois a
investigação deles parece não levar a lugar nenhum quando, de repente,
Cormoran aparece na casa do vilão, como se já soubesse de tudo e o prende,
me deixando perdido sobre como ele conseguiu descobrir, mesmo que
explique.
Enfim, o livro é bom, mas o final deixa a desejar, uma ótima tática para vender
os outros livros, (bom eu comprei o livro sem saber que haviam outras histórias
do mesmo detetive, culpa de quem compra livros impulsivamente, só porque
viu que estavam em promoção). A introdução e o desenvolvimento do enredo
foi algo muito bacana, pois desmembramento está em alta, mas, como já foi
dito, não termina muito bem.

nota 4

escrito oxi.png

 

A Última Esperança sobre a Terra – Resenha

aaaaaaaaa.png

Título: A Última Esperança sobre a Terra

Autor: Richard Matheson

Editora: Francisco Alves

Ano de publicação: 1984 (original de 1954)

Páginas: 135 p.

cropped-barra.png

Sinopse:Terminada a guerra, manifesta-se estranha epidemia, trazida pelas tempestades de poeira e pelos mosquitos. Durante o dia, as pessoas permanecem em coma profundo; à noite, despertam repentinamente e saem em busca de alimento. Mas só de um: sangue. Médicos e cientistas não conseguem diagnosticar a enfermidade nem encontrar sua cura. O que é mais grave: a epidemia se alastra rapidamente, desorganizando toda a estrutura social. Todos ou quase todos acabam sendo atingidos pela nova Peste e a única solução é queimar os corpos numa gigantesca fornalha atômica: porque, de outra forma, os mortos retornam, sedentos de sangue.

Em meio a esse pesadelo, um homem não foi contaminado, por ter adquirido uma espécie de imunidade. Robert Neville, então, empreende uma operação de extermínio dos sobreviventes e, ao mesmo tempo, procura descobrir a origem da misteriosa doença. Ela sempre existiu, mas tinha sido encoberta, através dos séculos, pelo manto da fantasia, da superstição e do medo. Transformara-se numa lenda sinistra o que não passava de um fenômeno natural: a infecção por um bacilo. E Robert Neville, refugiado numa casa à prova de vampiros, vai desmontando, um a um, os disfarces da lenda.

cropped-barra.png

O livro segue Robert Neville, o qual tenta encontrar a causa – e talvez uma cura – para a epidemia que transforma vivos e mortos em vampiros. De noite trancado em sua casa protegida com alho e tábuas pregadas nas janelas; de dia procurando suprimentos e matando vampiros, os quais entram em estado de coma quando ao nascer do sol até o crepúsculo do dia.

Acompanhamos a mente do personagem, há anos sozinho, tentando não perder as esperanças onde parece ser um mundo onde só ele está vivo. Vemos o que ocorreu com sua esposa e filha, que sucumbiram à doença; a situação que ele e seus semelhantes se encontram após a guerra; tendo que encarar as tempestades de areia e os insetos nelas trazidos; como o coletivo se comporta quando a doença começa a se espalhar.

A trama tem um tom deprimente do começo ao fim. O protagonista muitas vezes se alcooliza para amenizar suas dores, o que acaba por lhe causar mais sofrimento ainda. Sem nenhum contato humano, Robert Neville reprime seus desejos sexuais e desaprende a conviver com os outros; no fim, quando encontra uma sobrevivente, às vezes se vê sentindo falta da solitude.

Recebeu três adaptações para o cinema: The Last Man on Earth (1964), The Omega Man (1971), Eu Sou a Lenda (2007, e provavelmente o mais conhecido) e I Am Omega (também de 2017). Referente às edições do livro, há um lançamento da Editora Aleph de 2015 intitulado Eu Sou a Lenda, para quem prefere comprar livros novos. Já para quem curte se aventurar em sebos, há a versão que eu li da Editora Francisco Alves, de 1984. Mas cuidado! Na contracapa, há spoilers do final do livro, o que pode estragar a surpresa para quem viu o filme do Will Smith ou até mesmo para quem nunca ouviu falar sobre a obra de Richard Matheson.

Recomendo para quem curte livros de ficção científica que exibem um futuro distópico. Falar mais do que já falei da história poderia estragar algumas surpresas presentes na parte final do livro. Caso ainda esteja com vontade de ler algo do gênero, recomendo o conto Não tenho boca e preciso gritar, de Harlan Ellison; história que mostra um futuro mais que pessimista.

nota 5

escrito paulo

 

Misery Louca Obsessão – Resenha

63e8f4fc-d5cb-4355-bc75-17fa949dd660

Título: Misery Louca Obsessão
Autor: Stephen King
Editora: Suma de Letras
Ano de Publicação: 2014
Páginas: 347 p.
cropped-barra.png
Sinopse: Paul Sheldon é um famoso escritor reconhecido pela série de best-sellers protagonizados por Misery Chastain. No dia em que termina de escrever um novo manuscrito, decide sair para comemorar, apesar da forte nevasca. Após derrapar e sofrer um grave acidente de carro, Paul é resgatado pela enfermeira aposentada Annie Wilkes, que surge em seu caminho. 
A simpática senhora é também uma leitora voraz que se autointitula a fã número um do autor. No entanto, o desfecho do último livro com a personagem Misery desperta na enfermeira seu lado mais sádico e psicótico. Profundamente abalada, Annie o isola em um quarto e inicia uma série de torturas e ameaças, que só chegará ao fim quando ele reescrever a narrativa com o final que ela considera apropriado. Ferido e debilitado, em Misery – Louca obsessão, Paul Sheldon terá que usar toda a criatividade para salvar a própria vida e, talvez, escapar deste pesadelo.
cropped-barra.png

Eu tenho uma relação de amor e ódio com o Stephen King mas nesse caso foi só amor! Li Misery já sabendo da história mas nem imaginava o que me esperava ao ler esse clássico do terror psicológico. Ele começa de boas, você até se identifica com a Anne em alguns momentos – se você já foi fã de alguém famoso você com certeza vai se identificar! – até que o livro parte para um ritmo aterrorizante e frenético até você chegar ao ponto de não saber mais do que a Anne é capaz.

O ponto alto aqui são os personagens extremamente bem construídos, um ótimo trabalho do King que tinha o desafio de levar um livro inteiro apenas com um único local e 2 personagens e isso é feito com maestria. O cenário é claustrofóbico e o ritmo adequado, se em alguns momentos a lentidão é a nossa maior inimiga em outros a rapidez como as coisas acontecem é aterrorizante. Mas como mencionado antes todo TCHAN se dá por Paul e Anne. De um lado temos um escritor famoso angustiado com sua obra prima e nós o entendemos completamente e isso é chave para que possamos ficarmos presos no livro porque se o Paul fosse um chato de galocha iríamos querer que ele morresse logo, MAS NÃO, o Paul é incrível e você só quer que ele se salve e exponha pro mundo seu novo livro. Do outro lado temos Anne, psicopata mor, rainha da tortura tanto física quanto psicológica não apenas com Paul mas com você, caro leitor! Se você curte um suspense bem feito e que te prende até o fim corre pra ler Misery, que você não irá se arrepender! E deixo aqui a minha recomendação para o filme que faz jus ao livro e tem uma das maiores atuações da história o qual fez a Kathy Bates levar um Oscar!

nota 5escrito duda

A Casa dos Pesadelos de Marcos de Brito – Resenha

20180622_150817
Título: A Casa dos Pesadelos
Autor: Marcos de Brito
Editora: Faro
Ano de Publicação: 2018
Páginas: 144 p.
barra
Sinopse: Dez anos depois de estar cara a cara com aquela assombração, Tiago finalmente concorda em voltar à mesma casa para visitar sua avó. Agora adolescente, ele pretende provar para si mesmo, que a terrível imagem que o aterrorizara nas madrugadas por tanto tempo, não passava de uma criação tenebrosa da infância. Mas, ao chegar no casarão, o jovem se depara com o misterioso quarto de seu falecido avô, agora mantido fechado, e tratado como espaço proibido. As restrições com relação ao aposento, as sensações e barulhos no meio da noite logo alimentam nele a suspeita de que algo terrível habita o local. Tomado por uma estranha coragem e desejo de ver-se finalmente livre do medo, tudo que o rapaz deseja é descobrir o que há por trás daquela porta. Então, o pesadelo toma novo impulso quando a figura sombria da infância mostra-se real novamente… mas, desta vez, ela quer atacar o seu irmão mais novo. Determinado a impedir que o caçula passe por terror semelhante, Tiago, mesmo apavorado, decide enfrentar a criatura. E o que descobre expõe terríveis segredos do passado que ninguém poderia imaginar.
barra
Excelente terror nacional na resenha de hoje. Em A Casa dos Pesadelos, o autor Marcos de Brito conta a história do adolescente Tiago, atormentado desde a infância por um episódio vivido na casa dos avós maternos e que abalou profundamente a sua saúde emocional.
Na tentativa de superar esse trauma, Tiago, seu irmão mais novo e a mãe Laura voltam à casa em que os acontecimentos funestos tiveram lugar e reencontram a avó. No meio do descrédito, a desconfiança e a incompreensão da família, Tiago tenta proteger o irmão mais novo do mesmo mal que o atormentou.
A escrita de Marcos é ótima, quase lírica e nada óbvia. O autor abusa das analogias, das figuras de linguagem e de um excelente vocabulário para falar dos sentimentos, dos conflitos e da introspeção do protagonista. Há também um pequeno romance adolescente cruamente narrado.
Mas o que teria isso esse trauma vivido por Tiago? Imaginação? Pesadelo? Invenção? Marcos vai revelando aos poucos, a medida em que Tiago recorda as noites que passou na casa dos avós, os detalhes desse trauma e ora acreditamos,  ora duvidamos da sanidade do protagonista. De segredo em segredo, com ousadia e coragem, Tiago vai desvelando os segredos do passado e conduzindo o leitor a um desfecho realmente aterrador.
Sobre a edição da Faro: realmente lindíssima! As ilustrações de Ricardo Chagas e os capítulos que tratam do passado em cor diferente, colaboram com a imersão do leitor e são um diferencial interessante.
Mas quantas estrelas eu dou para a obra? É uma trama belamente contada, com pontas bem amarradas e personagens consistentes. Nesse sentido eu dou. Mas não é uma história para todo mundo, o desfecho é, realmente, chocante e perturbador.
Mais não posso dizer, para não estragar a surpresa de quem vai ler. Só dou um conselho: esteja preparado para tudo.
A capa de livros que aparece na foto é da Capas Aurifames