Eleanor & Park – Resenha

2cf54044-1ecd-4fa6-abb3-eedc0ce3a574

Título: Eleanor & Park
Autor: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
Ano de Publicação: 2012
Páginas: 328 p.
cropped-barra.png
Sinopse: Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.
cropped-barra.png

O livro, logo no início, nos apresenta uma das personagens, Eleanor, uma garota que havia passado um tempo fora de casa, mas que agora retorna a morar com a mãe e percebe que nada mudou, tendo que enfrentar as mesmas dificuldades. A sua realidade é de uma família pobre, onde tem que conviver com o padrasto violento e com uma mãe que é totalmente obediente ao seu marido, e por isso, muitas vezes acaba sendo agredida. Mesmo com vários problemas dentro de casa, ela sempre tenta ser uma pessoa forte.

Eleanor é o tipo de garota que acaba se diferenciando de qualquer um pelo seu estilo de roupas chamativas e seus acessórios, junto com um cabelo ruivo um tanto que desordenado, e assim, sendo impossível não atrair os olhares dos outros para si. É por esse mesmo motivo que ela acaba sofrendo bullying constantemente dos colegas. Em seu primeiro dia de aula, no ônibus, ela é logo motivo de risadas e piadas, onde ninguém quer que ela se sente ao seu lado. Assim, ela encontra um lugar vazio ao lado de Park, que a deixa ocupar o lugar.

Diferente dela, Park vive uma realidade totalmente diferente da sua. Ele é um mestiço, sua mãe é coreana e seu pai americano. Ele possui um irmão mais novo e sua família lhe oferece uma vida muito boa, mas tem grandes problemas com seu pai, que não entende e nem aceita o jeito diferente do filho. É um garoto que procura ser quieto e não chamar a atenção, permanecendo sempre em um mundo só seu. A princípio ele também acha Eleanor estranha, e mesmo pegando ônibus juntos e sentando um ao lado do outro, os dias vão passando sem que não haja nenhuma conversa.

Park está sempre com seus fones de ouvido no último volume e lendo seus gibis. Ele logo percebe que Eleanor também está lendo com os cantos dos olhos, e então passa a lê-los mais devagar para que ela acompanhe. Em uma dessas vezes Park começa uma conversa, e a partir disso a relação entre eles começa a se estabelecer, descobrindo cada vez mais as semelhanças que cada um possui. A música se torna um assunto em comum, e além de revistas em quadrinhos, ele passa a gravar suas músicas preferidas para que ela escute. Assim, um se torna tão importante para o outro que eles só pensam nos momentos em que poderão estar juntos. O final de semana acaba sendo entediante sem a presença do outro.

O livro se passa em 1986, e isso é percebido ao longo de toda a narrativa por conta das referências do universo geek, além do punkrock dos anos 80. É difícil ler Eleanor&Park e não se envolver com os personagens e a história. O livro não vai apenas contar sobre um romance adolescente, mas também envolver assuntos como o bullying, preconceito, aceitação do corpo, sexualidade e muitas inseguranças e medos. O companheirismo que um possui como outro e como compartilham as dificuldades que enfrentam é o que acaba fazendo você se emocionar.

A obra possui uma leitura maravilhosa, pois é simples e direta, não a tornando cansativa. O livro é abordado de uma forma que possui a perspectiva dos dois personagens, intercalando entre si. Isso é interessante, pois faz com que o leitor acompanhe a visão de cada um contada pela autora.

O final é surpreendente e inesperado. É como se você terminasse o livro, mas com a sensação de desejar ler mais e saber o que acontece depois. Pode ser algo diferente para alguns ao terminar de ler, onde o final pode decepcionar, chegando a causar certo estranhamento, já que é um final imperfeito e buscamos um final feliz, mas com certeza causa no leitor uma pequena esperança. É um livro comovente e que passa uma mensagem tocante. Difícil não se apaixonar junto.

nota 5
escrito bianca.png